top of page

O fim da reserva de emergência em LCIs e LCAs

Atualizado: 12 de abr.

 

Alterações nas Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) estão trazendo uma mudança significativa para os investidores: o fim da possibilidade de utilizá-las como reserva de emergência isenta de imposto de renda.


Essa alteração nas regras de emissão desses títulos terá um impacto direto na vida financeira dos investidores. A seguir, explicaremos detalhadamente essas mudanças. Acompanhe!





Mudanças nas regras das LCIs e LCAs marcam o encerramento de uma era em que esses títulos eram amplamente utilizados na construção de reservas de emergência. Apesar de nunca terem sido os investimentos mais recomendados para esse fim, proteção do FGC e uma brecha nas regras de emissão tornaram LCIs e LCAs uma opção popular para os investidores cautelosos. No entanto, a recente decisão do CMN muda esse cenário, tornando esses títulos menos atrativos para quem busca segurança financeira. 

 

As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) passaram por mudanças significativas devido a uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) datada de 1 de fevereiro. Agora, a emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) está restrita a empresas dos setores imobiliário e de agronegócio, o que também impactou os prazos e lastros das LCIs e LCAs dos bancos.


Essa alteração impede que novos títulos tenham lastro em dívidas de empresas não relacionadas diretamente a esses setores. Além disso, as LCIs e LCAs não poderão mais ter vencimento em 90 dias, sendo agora exigido um prazo mínimo de 1 ano para o vencimento. Essas mudanças visam trazer mais segurança e transparência para o mercado financeiro. 

 

A importância da reserva de emergência está diretamente ligada à escolha dos investimentos adequados. Muitos investidores optavam por títulos de LCI e LCA para compor sua reserva, devido à isenção de impostos e às altas rentabilidades oferecidas pelos bancos. No entanto, essa prática está passando por mudanças, com menos emissões e títulos menos atrativos no mercado.


A orientação agora é voltar às alternativas tradicionais, como CDBs, Tesouro Selic e Fundos DI, para garantir segurança, liquidez e rentabilidade. É essencial buscar informações e contar com a ajuda de profissionais na hora de decidir onde alocar sua reserva de emergência, priorizando sempre a segurança e a liquidez. 


Quais são as melhores opções de investimento atualmente?


A reserva de emergência é o montante destinado a cobrir despesas fixas em situações inesperadas, agindo como um fundo de segurança financeira para momentos críticos, como demissões, problemas de saúde ou falecimento de provedores familiares. Este conceito não se restringe apenas a investidores, mas é essencial para todas as pessoas, especialmente aquelas com recursos limitados.


Ter uma reserva de emergência não é um luxo, mas sim uma necessidade. A falta dela pode resultar em dificuldades financeiras significativas, levando a empréstimos com juros altos ou uso do cheque especial para cobrir gastos imprevistos. Sem uma reserva de emergência, a segurança financeira necessária para o sucesso dos investimentos fica comprometida.  


A reserva de emergência deve ser equivalente a pelo menos quatro meses de despesas essenciais e deve ser mantida em investimentos de baixo risco e alta liquidez, permitindo resgates imediatos sem perda de rendimentos.


Na hora de montar sua reserva, é importante considerar a segurança, liquidez e rentabilidade dos investimentos, priorizando a proteção do patrimônio e a tranquilidade em situações imprevistas. Na busca por oportunidades na Renda Fixa, é fundamental escolher títulos seguros e com liquidez diária, garantindo a disponibilidade dos recursos quando necessário.


A rentabilidade não deve ser o principal critério ao decidir onde investir sua reserva de emergência, mas sim a preservação do capital e a segurança financeira em momentos de emergência.   


A seguir, apresentamos as sugestões de investimento para a criação da sua reserva de emergência:  


O Tesouro Selic


Este título público federal de Renda Fixa está atrelado à taxa básica de juros, a Selic, garantindo rendimentos diários e liquidez imediata. Dessa forma, não é necessário esperar até o vencimento do ativo para resgatar o dinheiro investido, evitando qualquer perda financeira.  


Em relação aos custos e tributações, os rendimentos do Tesouro Selic são tributados de acordo com o tempo de investimento, variando de 22,5% a 15%.


Para investimentos de até 180 dias, a alíquota é de 22,5%, enquanto para prazos acima de 720 dias, a taxa é de 15%. Além disso, é cobrada uma taxa de custódia de 0,20% sobre o valor dos títulos pela Bolsa de Valores, responsável pela operação. Em caso de resgate antes de trinta dias, também há a incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).  Apesar dos impostos e custos envolvidos, o Tesouro Selic é considerado um dos principais ativos de Renda Fixa no Brasil, oferecendo retornos atrativos para os investidores. 

 

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) com liquidez diária  


é uma excelente opção de investimento em Renda Fixa, permitindo resgates diários sem comprometer a rentabilidade. Ao aplicar em um CDB, você empresta seu dinheiro para uma instituição financeira e recebe um rendimento em troca. É importante escolher um CDB com liquidez diária para ter flexibilidade em suas movimentações.  


Existem diferentes modalidades de CDBs disponíveis no mercado, como os prefixados, pós-fixados e híbridos. Os prefixados oferecem uma rentabilidade fixa, enquanto os pós-fixados acompanham o CDI, que é equivalente à Taxa Selic.

Já os híbridos combinam características de ambos, proporcionando uma diversificação de rentabilidade.  


É importante estar ciente de que o imposto de renda incide sobre a rentabilidade do CDB, seguindo uma tabela regressiva. Além disso, há a cobrança de IOF caso o resgate seja feito em menos de trinta dias.


Uma vantagem do CDB é a proteção pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante o ressarcimento de até R$ 250 mil por instituição financeira em caso de falência.  Investir em um CDB com liquidez diária pode ser uma ótima maneira de fazer seu dinheiro render de forma segura e eficiente.


Consulte seu assessor financeiro para encontrar a melhor opção de CDB para o seu perfil de investidor. 

 

Os Fundos DI 


também conhecidos como Fundos Referenciados DI, representam uma alternativa sólida para a reserva de emergência. Compostos por uma variedade de títulos públicos e privados associados à Selic e ao CDI, esses fundos são gerenciados por especialistas em instituições financeiras.


Em geral, são pós-fixados, o que significa que o rendimento só será conhecido na data de vencimento. A vantagem é a liquidez diária, permitindo resgates sem prejuízos financeiros em momentos de necessidade.


No entanto, é importante considerar os custos envolvidos, como a taxa de administração e o Imposto de Renda, que segue uma tabela regressiva. É essencial mencionar a peculiaridade do "come-cotas", onde parte do IR é adiantada nos meses de maio e novembro, impactando o rendimento.


Apesar de ser um investimento de Renda Fixa, é importante ressaltar que os Fundos DI não contam com a proteção do FGC.     


Assessoria de Investimentos


A KAT Investimentos dispõe de uma equipe especializada em renda fixa, juntamente com assessores qualificados, prontos para auxiliá-lo em momentos desafiadores e orientá-lo na busca pelos investimentos mais adequados ao seu perfil e necessidades.


Abra sua conta conosco e conte com uma assessoria personalizada: www.katinvestimentos.com.br


Conte com a KAT Investimentos para obter uma assessoria financeira inteligente.

504 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page